Primeiro jornal comunitário brasileiro nos EUA completa 40 anos

Por: redação / ComunidadeNews.com

O Brazil News, pioneiro da imprensa comunitária nos Estados Unidos, completou 40 anos. Para falar sobre a iniciativa inédita no país, ninguém melhor do que Al Sousa, idealizador e fundador do jornal que abriu as portas para as várias publicações brasileiras existentes.

A primeira edição do Brazil News foi lançada exatamente em 7 de setembro de 1969. Periódico de 12 páginas e totalmente em português, o jornal tinha como foco os brasileiros que viviam na América. A publicação durou cerca de 5 edições, mas o espírito empreendedor de Al Sousa serviu para abrir caminho para as atuais mídias comunitárias brasileiras nos Estados Unidos.

Al Souza

Por telefone ao Comunidade News, Al destacou a versatilidade dos jornalistas brasileiros no país. Segundo ele, o jornalismo é inato. Filho de um jornalista, decidiu seguir os passos do pai e falou com orgulho do início da profissão, até a fundação do Brazil News.

Depois de trabalhar pelo ‘Diário de Notícias’, Al passou pelo jornal ‘A Noite’ e pela antológica ‘Rádio Nacional’, onde foi produtor do conhecido ‘Repórter Esso’. A profissão de jornalista era vista como esquerdista, e o exercício ficou difícil depois do golpe militar de 1964. Al Sousa foi então “aconselhado” a tirar licença não remunerada do cargo público de técnico em Comunicação Social, ligado ao Diário Oficial.

Acompanhado da esposa e do filho, chegou a Nova Iorque em 1968, Al ainda foi correspondente do Diário de Notícias. Com os pedidos cada vez mais raros da redação no Rio de Janeiro, o brasileiro conseguiu um emprego de relações públicas na extinta companhia aérea Varig. Mas a idéia de voltar a dar notícias nunca abandonou Al, e ele decidiu fundar o Brazil News.

É com muito orgulho que Al guarda o primeiro exemplar do Brazil News, naturalmente amarelado pelo tempo. Muito humilde, resiste à idéia de carregar o título de ‘Pai do Jornalismo Comunitário Brasileiro nos Estados Unidos’. “Seria muita ousadia e pretensão me intitular deste jeito”, disse ele, complementando que os profissionais brasileiros são muito bons. “São preciosos, vão até o fundo. Nossa mídia nos Estados Unidos é excelente”.

Apesar de não atuar mais tão intensamente, Al Sousa mantém os laços com a profissão através da coluna ‘Periscópio’ do AcheiUSA, jornal que pertence ao sobrinho dele, Jorge Nunes, e do qual é Presidente Honorário. Sempre com humildade, declarou que conquista respeito e distinção por onde passa. “Não preciso escrever nada para aparecer. Sou um ancião que conseguiu se realizar”.

Missão cumprida

Ainda olhando para a primeira edição do Brazil News, o mineiro de Uberlândia mas carioca de coração tem a sensação de que as coisas poderiam ser melhores. “Sinto uma certa emoção, o jornal me deu um trabalho monstruoso”. Era o próprio Al quem distribuía a tiragem de mil exemplares, ajudado pelo motorista da agência de turismo de propriedade do judeu Abraão Utler, o qual mais tarde se tornaria sócio.

Al Sousa confidenciou que o Brazil News não teve continuidade por conta da falência de Utler. “Eu não tinha capital”. Ele gostaria sinceramente de levar o projeto adiante, mas no fundo considera que cumpriu com o próprio dever. “A sensação, depois de tantos anos, é que fiz por meus compatriotas o que outras pessoas de boa intenção fariam, ou seja, apoiar este núcleo que hoje é bem elevado de cidadãos que representam o nosso país”.

Perguntado sobre o que é necessário para ser um bom jornalista, Al Sousa repetiu as palavras do pai, o qual era tão brilhante como jornalista quanto como escritor. “Muito simples, pegue a sua máquina de escrever e comece, o resto é talento”. Era muito mais trabalhoso escrever naquele tempo, pois não era possível corrigir o texto de forma instantânea como nos dias de hoje, graças aos computadores.

A definição dada pelo próprio Al reflete a experiência de mais de 40 anos. “O jornalista é uma pessoa analítica, usa esta capacidade para analisar os fatos. Transpõe para nós o que ele acha que devia ser feito. Isto só com talento você descobre como produzir”.

Na opinião de Al Sousa, o conjunto deste talento natural, aliado à garra do jornalista brasileiro, faz a imprensa comunitária brasileira dos EUA crescer. Ele acredita que existam muito bons profissionais brasileiros nos Estados Unidos, que produzam algo de muito útil para a comunidade. Mas ainda sente falta de algo. “Precisamos nos unir. Possivelmente teremos uma voz dentro da opinião pública americana”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: