Ministra da Comunicação de Angloa encoraja rádios comunitárias

Por: Angola Press

Luanda – A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, encorajou hoje, segunda-feira, em Luanda, a criação de rádios comunitárias para a promoção do desenvolvimento local.

“As rádios comunitárias desempenham um papel importantíssimo nas comunidades onde se inserem, dando uma extensiva cobertura a realidade local, promovendo os feitos e alertando para as fragilidades”, declarou.

Carolina Cerqueira discursava na cerimónia de abertura da XVIII Assembleia Geral da Rádios e Televisões da África Austral (SABA), que decorrerá até terça-feira, em Luanda, sob o lema “Pugnando por uma melhoria de conteúdos na era digital”.

A membro do executivo angolano considera as rádios comunitárias “veículos únicos de promoção da cultura, desporto e língua locais, mantendo e enriquecendo cada região”.

Sublinha que tendo em conta a sua abrangência e carácter interactivo da rádio o seu potencial deve ser plenamente desenvolvido, não só criando novos órgãos, mas integrando nos seus conteúdos programas educacionais, tornando assim um recurso no combate à pobreza e à desigualdade social.

Lembrou que na Índia, Médio Oriente, no Brasil, entre outros países, as rádios comunitárias são usadas para desenvolver sectores de base da economia, como a agricultura e a educação.

Referiu-se a título de exemplo as rádios agrícolas que transmitem técnicas de cultivo e informam acerca da existência de pragas e outras e outros fenómenos ligados à agricultura, iniciativas que têm sido fundamentais para a subsistência e enriquecimento das economias locais.

A ministra considera que a rádio pode e deve exercer o papel de transformar África de um continente de exploração, pobreza e guerra, em sociedade mais inclusivas e justas para todos os seus cidadãos.

Para Carolina Cerqueira, cabe aos governos promover e financiar programas de rádios comunitárias que tenham como principal objectivo o desenvolvimento social, especialmente nas zonas rurais.

Enaltece que as rádios, televisões, jornais e outros mídia devem ter uma participação mais activa na construção de sociedades mais justas, capacitando e dando voz ao seu público.

Afirma que os meios de comunicação tradicionais estão a enfrentar novos e importantes desafios, nomeadamente a partir da vulgarização da Internet, apontando como dos mais urgentes a digitalização da transmissão de conteúdos da rádio e televisão.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: